Projeto Fontes de São Paulo


Este projeto é um projeto cultural, sem fins lucrativos, que conta com o apoio de diversas instituições  públicas, privadas, indivíduos  e organizações da sociedade civil.


O projeto possui uma coordenação geral, responsável pelo planejamento, gestão das atividades, organização dos recursos humanos e captação de recursos financeiros. 


O Projeto Fontes de São Paulo é formado por sete frentes distintas:




Frente  História e Memória

Com base em históricos produzidos pela Seção Técnica de Levantamento e Pesquisa do DPH, orientar alunos voluntários para buscas de materiais sobre as principais fontes e chafarizes da cidade de São Paulo em arquivos históricos, bibliotecas e outros órgãos de pesquisa, realizando levantamentos de imagens históricas, registros em periódicos, entrevistas, músicas que inspiraram as obras representadas pelas esculturas que compõem o monumento, entre outros. Ao mesmo tempo, envolver alunos de multimeios para começar a produção de materiais com vistas à elaboração de um futuro meio de publicação do Projeto Caminho das Águas de SP. 


Frente Social


Frente Educação e Comunicação

 
Frente Cultura

Frente Turismo

Mobilizando diversos esforços para melhor aproveitamento do monumento, entendendo que o eixo Caminho das Águas

também como um eixo histórico-artístico-cultural, a fim de acentuar o turismo na região facilitando e atraindo acessos às fontes e chafarizes e mantendo seu caráter urbano.


Frente Arte, Ciência e Tecnologia


Elaborar planos que:  - Incentivem ações tecnológicas de interação com as fontes e chafarizes, como criação de dispositivos móbile e sites, entre outros relacionados ao conceito de Internet das Coisas, que interfiram respeitando os princípios do restauro, e que sirvam como meios potencializadores da atratividade destes monumentos. Estas ações deverão ser pensadas a partir de conceitos estéticos para que arte e tecnologia estejam integradas nestas iniciativas. - Estimulem a pesquisa acadêmica e a produção de trabalhos científicos que tratem da utilização de processos e materiais construtivos, técnicas de restauro, modelos de gestão, processos de intervenção social, etc. - A partir de intervenções artísticas, atraiam a atenção do público para o monumento e sirvam como alavanca para o resgate de sua importância histórica e seu papel na construção da identidade da Cidade de São Paulo.


Frente Conservação,
Restauro e Arquitetura
Envolve alunos de Arquitetura, Engenharia, Conservação e Restauro para o levantamento de estado de conservação das fontes e chafarizes da cidade a partir da significância histórica, identificação de materiais, análise estrutural, mapeamento de danos,uso e ocupação, percursos (ver o projeto Anhangabaú do escritório Jan Ghel) para a elaboração de proposta de intervenção. 

Quadro: Frentes de trabalho, 2014